O Grito

Atualizado: 23 de Dez de 2020

O novo filme da franquia "O grito" acerta em respeitar a obra original "ju-on", mas deixa a desejar.


A franquia o Grito teve em seus longos anos diversos filmes e remakes, tantos japoneses quanto norte americanos, inclusive filmes que cruzam as historias e dão uma explicação para a monstruosa Kayako Saeki e seu Filho Toshio Saeki aparecerem nos EUA.

Esse novo filme ignora todos os anteriores com exceção do primeiro, após uma cuidadora voltar de Tokyo com a maldição da casa da família Saeki para os EUA ela carrega junto o mau consigo.


O filme assim como o primeiro conta histórias em diferentes tempos de diferentes famílias que se mudaram para a casa da família Landers que foi amaldiçoada, após a personagem Fiona Landers (Tata Westwood) voltar de Tokyo e ter tido contato com a casa de Kayako no Japão. Sendo assim, a primeira e principal família responsável por trazer a maldição a todas as outras vitimas que passaram a viver na casa nos EUA.


Após voltar de viagem de Tokyo, Fiona Landers mata seu marido jogando-o da escada e depois sua filha afogada na banheira, muito semelhante as mortes do primeiro filme, que ocorre com a família Saeki.

As segundas vítimas são o corretor Peter Spencer (John Cho) e sua esposa Nina Spencer ( Betty Gilpen ) que possuía uma gravidez de risco. Peter ao entrar na casa vê a filha da família Landers sozinha então ele decide ficar la ate que seus pais cheguem, acabando assim amaldiçoado e possuído, levando ao assassinato de sua esposa. A ultima família vitima da casa amaldiçoada foi o casal de idosos Faith (Lin Shaie) e Willian Matheson (Frankie Fraison). O marido da senhora Faith contrata um serviço de eutanásia para sua esposa que já esta muito debilitada e tendo alucinações, que na verdade são as assombrações da família Landers.