REVIEW: Final Fantasy 7 como um Remake deve ser feito, pelo menos uma parte!

Atualizado: 6 de Dez de 2020

Vou começar essa análise parecida com a do Resident 3, eu joguei o original no ps1 na época, ele foi um dos jogos responsáveis por eu ter comprado um ps1, junto com Resident 2, e desde então Final Fantasy 7 junto de Ocarina of Time se tornaram os 2 melhores jogos pra mim, então imaginem agora o peso e a carga emocional desse remake, é mais de 8000, é já chego com os dois pés no peito, O REMAKE É FOD@!


Historia


O que é um RPG se não história, e a Square sempre foi conhecida por seus fantásticos enredos, sempre inovando em seus JRPGs, a Square soft (antes de se tornar Squareenix) foi responsável por difundir os RPGs japoneses pelo mundo, e Final Fantasy 7 com certeza foi o ponta pé inicial pra essa conquista, por isso que ele é um dos mais influentes, conhecido e querido por todos o fãs, é o que mais recebeu versões, spinoffs, animações e filmes, e desde a techdemo do ps3 em 2005 que sonhávamos com esse remake, que só foi confirmado mas histórica E3 de 2015, pra chegar agora dia 10/04/2020, e é exatamente nesse ponto que esse remake mais se destaca, Tetsuya Nomura diretor do projeto já avia prometido que seguiria a risca e respeitaria os eventos do original, e isso foi feito, agora todos os diálogos são falados, e não só falados mas interpretados em ótimas animações, o que engrandece a forma como a história é contada, só que ao mesmo tempo isso ser um ponto positivo é também um negativo, lembrar de Metal Gear Solid com seus cortes e excessos de animações, que só Kojima sabe fazer, esse remake lembra um pouco a série da Konami, muitas e longas interrupções, algumas dessas interrupções podiam ter sido evitadas colocando os personagens conversando enquanto andam (tem partes assim).

Essa primeira parte conta todos os eventos dentro da cidade de Midgar, com a corporação Shinra como vilã da história, dona dos reatores mako (e praticamente da cidade inteiram Umbrela feelings), que extraem lifestream energia vital de Gaia (terra desse Final Fantasy) e transformam em energia elétrica, o grupo ecoterrorista avalanche, liderado por Barret, que cont